Como a empresa deve tratar um caso de um trabalhador alcoólatra?


Demitir um trabalhador alcoólatra por justa causa pode ser um procedimento falho por parte da empresa. Apesar de haver um amparo legal na legislação brasileira, que concede esse direito ao empresário em determinadas circunstâncias, muitas vezes o motivo do desligamento está atrelado ao preconceito e ao desconhecimento da lei e do problema.


Afinal, o alcoolismo consiste em uma doença crônica que atinge corporações e funcionários no Brasil inteiro. De fato, ainda se trata de um dilema para profissionais que não sabem como agir perante a esses casos.


Um trabalhador alcoólatra passa por circunstâncias e situações difíceis, além do tristepreconceito enraizado em nossa sociedade. A doença afeta diretamente as funções e o desemprenho profissional da pessoa, tendo em vista os estragos relacionados ao corpo e à mente do dependente.Dificuldades em se concentrar, se equilibrar, permanecer atento e se comportar de forma normal são alguns dos efeitos que o alcoolismo proporciona, prejudicando bastante no trabalho.


Dispensar o trabalhador alcoólatra por justa causa significa deixar a responsabilidade de lado e enxergar somente os próprios interesses.O primeiro passo para uma opção mais correta é a informação. Só quando há o devido conhecimento de que o alcoolismo consiste em uma doença o alcoólatra não pode ser demitido por justa causa.


Cabe à empresa amparar o trabalhador alcoólatra, tentar compreender os motivos pelos quais ele recorre à droga como refúgio e, por fim, realizar o papel de orientadora.Existem inúmeros tratamentos, não importando o nível de alcoolismo em que o paciente se encontra. Afinal, todos são capazes de retomar uma rotina saudável e produtiva.


Fonte: Blog Viver Sem Drogas